A grande imprensa esquerdista perde para as mídias sociais

18/12/2019

Podemos dividir a história da comunicação no Brasil em duas partes; "antes de depois das mídias sociais". Antes das mídias, a imprensa falada e escrita tinha domínio total sobre a população, pois só ela imitia informações e opinião.

Por décadas dominou o povo como uma ditadura absoluta que ninguém ousava contestar. Aquelas poucas pessoas que discordavam de algo que vinha da imprensa eram taxados no mínimo de antissociais ou de pouca instrução.

O poder vinha todo da imprensa. As empresas assinavam os jornais e sua leitura diária era sinônimo de uma pessoa bem informada e apta para grandes feitos na empresa.

Os apresentadores de telejornais eram endeusados como donos absolutos da verdade e ninguém ousava contradize-los.

Claro que, sabendo desse grande poder de influência sobre o povo, os governos de esquerda se aproveitaram da situação e com o dinheiro do povo, compraram toda classe de mídia, jornais, canais de televisão e tudo o mais de onde pudessem tirar proveito.

Entre os muito escândalos descobertos do governo Lula por exemplo, destaca-se gravações em que ele avisa que ordenará a imprensa a publicação de determinadas matérias específicas e direcionadas.

Por anos seguidos o governo petista foi o dono absoluto do poder da imprensa comprada. Tanto é que ninguém se lembra de nenhuma crítica da Globo ao seu governo ou as pessoas que o conduziam. E isso durante tantos anos. Não precisa muita inteligência para entender o porquê.

Com o advento das mídias sociais, as coisas começaram a mudar. As pessoas se uniam através das mídias e discutiam assuntos de seu interesse longe do crivo da imprensa. Diziam o que queriam e o que pensavam.

Mas a grande comprovação de poder das mídias sociais veio acontecer com a campanha de Jair Bolsonaro. Com suas informações através das mídias sociais e estas por sua vez divulgadas por milhares de pessoas, fizeram dele um mito. Logo por onde passava era aplaudido e acompanhado por multidões. E não deu outra. O povo, usando esse novo meio o elegeu.

A partir daí começou a queda livre da imprensa tradicional, que, imediatamente, se tornou inimiga de Bolsonaro, sabendo que ele não precisava dela para nada. Tornou-se uma briga acirrada e ataques de todos os lados. Mas já era tarde. O povo já não acreditava em nada da mídia regular.

Agora, pode-se afirmar sem receio, de que quem manda no Brasil é o povo. Aquele que for contra Bolsonaro, é inimigo do povo. Por isso mesmo, políticos de esquerda tentam a todo custo silenciar as mídias, agora tentando criar leis contra fake News. O intuito é um só, brecar o pensamento do povo através das mídias.

Em recente fala, Bolsonaro já se declarou totalmente contra essa ideia. Ele quer a internet como um território livre e não atrelado ao crivo dos grandes e dominadores.

Meios como Whatsapp, Facebook, Twitter, sites de direita e outros, fazem o delírio do povo. Ai discutem, expressam suas ideias, desabafam, denunciam e aplaudem tudo de bom que o novo governo oferece e todas as iniciativas do bem que vem do governo ou de pessoas que falam a mesma língua, que é a de libertação total do Brasil dessa esquerda corrupta.

Globo, Folha, Estadão, Isto É, Veja entre outros tem seus dias contados. A cada dia que passa, esses meios definham em desespero em seu último suspiro. A Folha, que aos domingos pesava quase dois quilos com vários cadernos especiais e anunciantes de página inteira, agora é uma triste e fina folhinha que se confunde com as edições da semana. Ninguém mais assina ou compra esses meios.

Globo, de poderosa e dona exclusiva de todos os eventos importantes, agora é taxada de Globo Lixo. Despede funcionários e baixa salários e seus donos convivem diariamente com o fantasma de não ver sua concessão renovada em 2022 por Bolsonaro.

Enfim, estamos no fim de um império que comandava o Brasil através da lavagem cerebral não dando a mínima chance de liberdade de pensamento para as pessoas.

Agora tudo é diferente. E Bolsonaro é o grande libertador desse povo oprimido. Com seu exemplo e usando esses mesmos meios simples que o povo usa, tem vencido todas as barreiras em direção a um futuro melhor para o Brasil.