Carnaval; uma porta aberta para a entrada do coronavírus no Brasil

15/02/2020

O carnaval no Brasil, além de seus males tradicionais, trás neste ano o pior de todos os tempos, que é a possibilidade da entrada de turistas infectados com o coronavírus. O Brasil, que até agora tem tomado o máximo cuidado contra a entrada do vírus não terá como controlar os milhares de turistas que chegam a cada dia para o carnaval, muitos vindos de países já infectados.

O vírus que já se espalhou por várias cidades da Europa e Estados Unidos, África e Ásia, além de difícil de detectar, permanece no organismo por 14 dias, podendo passar para outras pessoas através do ar ou contato. Assim, a possibilidade de turistas portadores do vírus é muito grande. E confinados em locais de aglomeração, próprias do carnaval, o risco de contágio à população local é imensa.

O correto seria o cancelamento deste carnaval pois o mundo está à beira de uma epidemia global e o Brasil está em alerta nível 3 que é o maior por aqui. Mesmo assim, parece que a ganancia financeira fala mais alto e por mais que autoridades sensatas e de direita pensem em tal possibilidade isso seria impossível.

Cabe lembrar que antes do fechamento da cidade de Wuhan, foco inicial do vírus, ser fechada em 23 de janeiro, chineses da referida cidade viajaram para 382 cidades fora da China, possivelmente levando consigo o vírus.

Ainda por ocasião do Ano Novo Lunar da China, muitos chineses potencialmente infectados provenientes de cidades de alto risco viajaram para Hong Kong, Taiwan, Coreia do Sul, Estados Unidos, Malásia, Cingapura, Tailândia, Japão, Vietnã e Austrália. O que é certo é que as autoridades chinesas só se preocuparam com o vírus tarde demais, quando pessoas infectadas já tinham saído.

Outro fator a levar-se em consideração é que a China, como país comunista, nunca revela a realidade, portanto o número de mortes passado pelo governo, 1380 é apenas uma fachada podendo já estar nos milhares.

A construção de um grande complexo de hospitais em apenas 10 dias, mantido por militares e muito semelhante a prisões e de crematórios é outro indício de que as coisas são sérias e de forma muito diferente do que mostra o governo.

O diretor geral da Organização Mundial da Saúde, (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus recomenda a comunidade internacional a desenvolver estratégias de contenção e alertou que "podemos estar vendo apenas a ponta do iceberg".

Diante de tudo isso, podemos constatar que o Brasil não está preparado para enfrentar uma epidemia desse nível. O Brasil é um país que vem de um governo corrupto que deixou os hospitais em ruina e sucateados que não conseguem nem dar conta das doenças tradicionais e locais e muito menos conseguirá manejar um evento gigantesco como é essa epidemia.

O aconselhável seria a extrema prevenção incluindo-se o controle total das pessoas que chegam ao país. Entretanto, como já foi dito, os interesses financeiros relativos ao carnaval parece que estão acima de tudo, pouco importando com uma possível contaminação em massa trazendo uma tragédia para brasileiros que nada tem a ver com carnaval.

Brasil: país com 81% da população cristã se prepara para enfrentar o carnaval mais degradante de todos os tempos

Diariamente chegam navios em toda a costa brasileira cheios de turistas que vem para o carnaval. Cidades como Rio de Janeiro, Salvador e outras já estão cheias de estrangeiros.

A cada dia que se aproxima do evento chegam mais pessoas. É praticamente impossível que essas pessoas provenientes de países já infectados não espalhem o vírus, ainda mais que por aqui não se usam máscaras. Essas aglomerações de pessoas podem trazer consequências catastróficas.

Entretanto, mesmo num momento tenso, que inclusive pode significar a mortandade de grande parte da humanidade, a preocupação de alguns é mesmo a folia, o desrespeito à moral, à fé das pessoas e todas aquelas misérias humanas que o carnaval proporciona.

Vídeos de pessoas que moram na China, mostram os cuidados que por lá se tem contra aglomerações. Por exemplo, para a pessoa entrar em shopping ou supermercado é passado por um verificar de temperatura corporal para ver se não está com febre.

O uso da máscara é obrigatório a todo momento e as ruas estão vazias com as pessoas saindo apenas para o imprescindível. No entanto, parece que por aqui a coisa é o contrário. É a saída de milhares de pessoas para a folia nesses dias de carnaval pouco se preocupando com a proximidade com estrangeiros que certamente estarão por toda parte, mesmo porque o turismo está em alta desde as melhorias proporcionadas pelo Governo Bolsonaro.

Só resta esperar e aqueles sensatos alertar aos incautos e se manter o máximo possível longe de aglomerações e de estrangeiros nesses dias do carnaval. (Leonardo Bezerra)