Depoente convocado pelo PT na CPMI da Fake News esclarece que foi o próprio partido que fez disparos em massa pelo WhatsApp nas eleições de 2018

12/02/2020

A verdade vem à tona. Depois de passar todos os meses do Governo Bolsonaro sempre o acusando de haver feito disparos em massa ilegais pelo WhatsApp na campanha eleitoral, finalmente tudo fica esclarecido. Quem fez os disparos foi o próprio PT no sentido de eleger Haddad conforme depoimento de Hans River do Rio Nascimento.

O PT dá um verdadeiro tiro no pé. Por essa o partido não esperava. Ex-funcionário da empresa Yacows, que trabalhou na campanha eleitoral de 2018 fazendo disparos ilegais no WhatsApp promovendo Haddad dá depoimento arrasador nesta terça feira dia 11, onde faz acusações contra a jornalista Patrícia Campos Mello da Folha de São Paulo que fez matéria depreciativa contra Jair Bolsonaro.

O depoente esclarece todos os métodos escusos e antiéticos usados pela jornalista e deixa claro todo o envolvimento do PT.

Ainda esclarece que os chips comprados para uso nos disparos da campanha eram comprados utilizando-se CPFs de idosos e até mesmo de pessoas já falecidas, claro sem o consentimento destes e sem mesmo o conhecimento dos mesmos.

"A Yacows, tinha forte ligação com o PT e o PT fazia um baita pagamento para Yacows. [...] Quando Lula na prisão, a Yacows recebeu um determinado valor", afirmou Hans.

A referida empresa foi contratada pelo PT para a realização da campanha e Hans foi funcionário da empresa durante esse período trabalhando especificamente nos disparos ilegais promovendo o candidato do PT, Haddad.

Depois deste esclarecimento bombástico a situação do Partido dos Trabalhadores, que já estava lá embaixo, fica ainda pior o que já era de se esperar e depois das devidas investigações ficará muito difícil o partido continuar existindo. É algo extremamente grave que não pode ficar impune. (Fontes: Jornal Cidade Online, Folha Política Org) (Leonardo Bezerra)