Esquerda começa a se articular para impedir que um dia Sérgio Moro seja ministro do STF

15/01/2020

O maior medo da esquerda e do próprio STF é a entrada de Sérgio Moro para aquela casa, que atualmente se tornou no maior inimigo do povo brasileiro. O receio é que ele venha o pôr ordem na bagunça que existe por lá, ou pelo menos dar uma equilibrada nas votações absurdas que acontecem, pois sendo profundo conhecedor das leis pode combater aquilo que aparecer de errado, como tem acontecido.

Senado e Câmara, através de seus políticos de esquerda começam a inventar barreiras. Texto do senador Antônio Anastasia, submetido à Comissão de Constituição e Justiça, vai analisar mudanças na forma de escolha dos ministros do Supremo.

Acompanhe este artigo no Programa Pauta do Dia na página inicial

Atualmente a escolha é feita pelo Presidente da República, mas segundo o texto, teria que partir de uma lista tríplice, com nomes indicados Pelo Supremo Tribunal Federal, OAB e Procuradoria-Geral da República. O texto também fixa o mandato em 10 anos.

A pergunta é: Porque não pensaram nisso antes? Justo agora no Governo Bolsonaro é que aparecem com essa novidade. É evidente que há interesses em desviar Sérgio Moro do STF.

Outra questão é que indicados pelo próprio STF, certamente seriam pessoas de esquerda que falem a mesma língua. A indicação pela OAB, é outro erro. Essa entidade que se tornou inimiga do povo, não tem mais gabarito para indicar nada, muito menos para um cargo tão importante.

O único que resta é a PGR, que tem lá o Augusto Aras, indicado por Bolsonaro, que poderia indicar Sérgio Moro, mas com certeza, até lá, inventarão algum outro meio para barrar também a indicação da PGR. Essa ideia do Senador Anastasia é só o início. O resto vem depois.

O PT não imaginava que alguém de direita um dia chegasse ao poder. Era algo considerado impossível. Com quase todos os partidos atrelados ao PT e deixando a corrupção rolar solta, para agradar a todos. E o que menos esperavam ainda é que alguém do nível e caráter de Bolsonaro pudesse chegar à presidência.

Como isso aconteceu, agora correm desesperados tentando remediar o estrago de todas as maneiras.

Outra falcatrua que já estão articulando é a de limitar o número de medidas provisórias editadas pelo presidente para apenas 5 por ano. O que tornaria quase impossível a ação do governo. Bolsonaro em seu mandato, já emitiu 49 MPs. Deve ser lembrado, que essas medidas não podem ser previstas, elas surgem diante de situações de emergência.

Então, se ficar 5 por ano, e de repente o presidente já tiver usado toda a cota, e aparecer uma situação grave, de emergência, em que ele teria que lançar uma medida, já não seria possível e a situação ficaria fora de controle, já que através de leis regulares é impossível de se resolver emergências.

Enfim para o Governo Bolsonaro e os brasileiros de direita inimigos é o que não falta. Dentro do governo, três inimigos de peso, fora uma quantidade ainda maior de inimigos diversificados; mídia, artistas, universidades, movimentos e grupos como OAB, MST, Foro de São Paulo, ONGs, PCC, etc.

Enquanto os inimigos passam o tempo articulando meios de prejudicar o Governo, este por sua vez, não dá a menor importância, e ao contrário, mostra trabalho de primeira qualidade em todos os setores. Fica bem claro que o Governo Bolsonaro está sendo guiado por Deus. Mesmo sem tomar a menor atitude contra seus inimigos, estes acabam se destruindo em tudo que tentam fazer. Basta ver as mídias afundando, políticos sendo desmascarados e tudo o mais que se volta contra aqueles que tentam prejudicar Bolsonaro. (Leonardo Bezerra)