Maia sem chances; deputados favoráveis a Bolsonaro se articulam para manter o veto do Presidente sobre os R$ 30 bilhões

29/02/2020

Rodrigo Maia só veio mesmo é cavar sua própria cova querendo administrar os 30 bilhões do orçamento que cabe ao Presidente faze-lo. Vários deputados estão se unindo para manter o veto do Presidente na terça-feira quando será decidido no Congresso através de votos, se será derrubado ou mantido o veto.

Achando-se o todo poderoso, a exemplo do pessoal do STF, Rodrigo Maia, decidiu abocanhar os R$ 30 bilhões para destinar conforme suas conveniências, isso contra a lei pois é função do Presidente essa tarefa e não do Congresso.

Além do mais, para piorar sua situação que já é crítica por suas ações de engavetar tudo que o Presidente envia ao Congresso, ainda veio com a palhaçada de querer ser "primeiro ministro" num país presidencialista.

Com isso incorreu em traição à pátria principalmente com suas articulações na Espanha (de esquerda) junto aos mandatários espanhóis como se ele fosse o chefe da nação brasileira. Função essa que cabe ao Presidente da República e não ao presidente do Congresso.

TEMAS RELACIONADOS:

15 de março; todos nas ruas contra Maia e Alcolumbre que ameaçam brecar todos os projetos do governo Bolsonaro 

Quando nesta semana deputados começaram a articular a manutenção do veto de Bolsonaro no Congresso, Maia rapidamente fechou o Congresso alegando carnaval e ficando de voltar na segunda feira. E só na terça será então votado a questão dos R$ 30 bilhões. Isso, por um lado foi medo e por outro a questão de ganhar tempo e fazer outras articulações.

A realidade é que Maia está em maus lençóis. Por um lado, os deputados aliados e por outro os generais e o povo que com certeza vão arranca-lo do Congresso.

Senadores do Podemos divulgaram vídeos em redes sociais para defender a manutenção do veto de Bolsonaro. O líder do partido, senador Álvaro Dias, que classificou de "Rachadão" o dispositivo que obrigaria a execução de R$ 30 bilhões em emendas parlamentares. Disse o seguinte:

"É um dispositivo inusitado. Queremos que os recursos públicos sejam distribuídos corretamente, levando em conta as prioridades do povo brasileiro. Esse modelo permite desvios. Não podemos abrir as portas para a corrupção e temos que cuidar da correta aplicação do dinheiro público. Vamos trabalhar para manter o veto do presidente da República. Não aceitamos acordo de tipo nenhum."

Já o vice-líder do Podemos, senador Eduardo Girão explica que não é papel dos parlamentares gerenciar verbas públicas. É uma prerrogativa exclusiva do Poder Executivo. Mas parece que só Rodrigo Maia não sabe disso.

Girão destacou também o risco do dinheiro do Orçamento ser desviado para financiar campanhas municipais em outubro, época das eleições:

"Esses R$ 30 bilhões vão ser distribuídos para parlamentares em ano eleitoral. O que vai ser feito desse dinheiro? O Brasil tem um déficit primário gigantesco. Para pagar os salários dos servidores públicos, a Previdência e os gastos obrigatórios, já temos um déficit de R$ 40 bilhões, e querem pegar R$ 30 bilhões que é um dinheiro emprestado, para parlamentares distribuírem em emendas pelos municípios do Brasil - alertou."

Foi aberto um interessante site para todos os brasileiros acompanharem os deputados sabendo quem está a favor em manter o veto ou contra. É o seguinte: www.veto.52.com.br nele poderá acompanhar dia a dia a posição dos deputados e inclusive por estados desmascarando quem está a favor ou contra o Presidente. No momento, o peso a favor de manter o veto está ganhando disparado. Com certeza tudo que tramam contra Bolsonaro não dá em nada e as pessoas que tramam acabam se complicando.

Aguardemos terça feira 14 horas quando haverá a votação no Congresso para ver a derrota de Maia e depois de dia 15 sua expulsão do Congresso. (Leonardo Bezerra)