O Globo divulga pesquisa fajuta que minimiza o aborto e alega que mulheres sentem alívio com o assassinato do filho

17/01/2020

Entre tantos males irradiados por esse grupo da Globo como apologia às drogas, sexo livre desde a adolescência, apoio ao feminismo, LGBT, ateísmo, combate acirrado a tudo que há de bem no país, agora vale-se de pesquisa tendenciosa para incentivar o aborto.

Segundo o Jornal Cidade Online, valendo-se de uma pesquisa publicada na revista Social Science and Medicine, que revelou que "alívio" é a reação das mulheres e não "arrependimento".

Essa frase, na mente de uma pessoa despreparada é como um consentimento. Portanto uma verdadeira apologia ao aborto, um incentivo vindo de um meio de comunicação de massas. Há no Brasil uma grande quantidade de mulheres que ainda acreditam nesses meios ligados à esquerda.

Segundo o referido jornal, 95% das mulheres que fazem aborto não se arrependem e ressalta os pontos positivos. A autora do estudo; Corrine Rocca, da Universidade da Califórnia complementa: "Nunca houve evidência para dizer que esse mito era realmente verdade. Isso desmascara a ideia de que a maioria das mulheres sofre emocionalmente ao fazer um aborto".

Uma pura inverdade ou ao menos que não condiz com a realidade do Brasil, daí se constata a maldade pura e simples do jornal O Globo, pois uma pesquisa feita nos Estados Unidos e sabe-se lá sob que circunstâncias e propósitos, não pode ser aplicado às mulheres do Brasil.

Não foi levado em conta pelo jornal, que o lado emocional das brasileiras é totalmente diferente das americanas. Que as mulheres daqui estão em um país cristão cuja criação é baseada em bons princípios, contra a morte de qualquer espécie. Ainda deixou de levar em conta que o chamado instinto materno, em nosso país é extremamente forte. Isso se pode constatar em todas as ocasiões em que mães precisam defender seus filhos.

As mulheres brasileiras não são robôs, são emocionais, femininas e em sua maioria apegadas aos princípios religiosos do cristianismo. Portanto, em sua formação está "um grande não" ao aborto.

Em nosso país, essa ideia de que aborto não causa traumas é pura mentira. Por aqui as mulheres que o fazem ficam marcadas emocionalmente por toda a vida.

Portanto, evidenciar pontos positivos em aborto para essas brasileiras é pura maldade. É tentativa de criar uma sociedade má em que o assassinato de um feto em formação nada significa. É propagar a permissividade e o egoísmo, onde a pessoa só pensa em seu bem estar mesmo que isso implique na morte de outra.

Vindo desse grupo Globo nada se pode esperar de bom. Além de perseguição implacável ao Governo de Bolsonaro, usando de ocultamento dos fatos positivos e divulgado tudo que não presta para difamar o Governo, agora tenta impor sua ideologia de morte às brasileiras. (Leonardo Bezerra)