O povo reage e vai para as ruas em carreatas pela abertura do comércio

28/03/2020

Mais uma vez o povo prova que Bolsonaro tinha razão e percebe que não há lógica em ficar em casa quando não há nenhuma morte de pessoa abaixo de 60 anos. A morte sim, virá, se todos continuarem parados, esperando o desemprego e falência de milhares de empresas. A própria falta de recursos entre os mais pobres já pode gerar morte de crianças por falta de alimentação e por falta de meios para comprar remédios.

Usado por políticos inescrupulosos o covid-19 tornou-se numa arma política poderosa nas mãos desses inimigos da pátria. Com a quarentena total poderiam gerar milhares de falências de comércios, autônomos, prestadores de serviços e vários outros, assim promovendo um caos financeiro com o qual pretendiam atingir o governo de Bolsonaro, desestabiliza-lo para pedir sua saída.

Só não contavam com a sensatez e capacidade do governo eu sua equipe que prontamente disponibilizou recursos para todos os tipos de pessoas que estão em quarentena e além do mais alertou a população sobre a farsa da quarentena horizontal.

As pessoas logo perceberam toda a lógica de Bolsonaro. Por exemplo; não há lógica em pequenas cidades onde não há casos ficar em quarentena. Não há lógica de famílias inteiras de pessoas jovens e sadias que não possuem idosos em casa ficarem em casa sendo que o vírus, mesmo pegando, não causa nenhum dano para estas pessoas.

Aliado a tudo isto, estão todos os cuidados que as pessoas estão seguindo segundo orientação do Ministério da Saúde.

Essa percepção por parte do povo foi rápida e dia 27 todos estavam nas ruas em carreatas pedindo a volta da abertura do comércio.

Foram várias as cidades e capitais onde ocorreram. Em São Paulo, ocorreram no início da tarde com uma carreada saindo da zona norte e indo em direção ao Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do Estado. A carreata mostrava carros de alto padrão com pisca-alerta e buzinas ligados e bandeiras do Brasil sobre o capô. Muitas pessoas com as cabeças para fora dos carros gritavam; "Fora Doria!

Nas redes sociais as hashtags #oBrasilNãoPodeParar e #impeachmentDoria ganharam um destaque especial com a aderência de milhões de pessoas.

As carreatas ocorreram também em São José do Rio Preto e Presidente Prudente em SP, em Curitiba, PR e Porto Alegre, RS e ainda em várias outras cidades como Balneário Camboriú, SC, Maringá, PR, e Ipatinga, MG.

Neste fima de semana, já estão previstas várias outras carreatas, inclusive em Brasília e localidades onde ainda não tiveram durante a semana.

Os inimigos do governo alegam que a quarentena horizontal é solicitada pela OMS, esquecem que o presidente dessa organização sombria é um comunista que tem o mesmo objetivo de todos os outros, causar um caos no mundo para a China aproveitar a ocasião e comprar milhares de empresas em vários países como vem ocorrendo, inclusive aqui no Brasil.

De nada adiantou a mídia esquerdista passar dias seguidos alarmando as pessoas o dia inteiro. E muito menos a reunião dos governadores conspiradores tentando barrar a ideia de Bolsonaro de uma quarentena vertical, onde somente as pessoas de risco, como idosos e doentes, deveriam ficar em casa.

Muitos governos e prefeitos, pressionados pelos empresários e população tiveram que voltar atrás e aderir às ideias de Bolsonaro, uns a contragosto e outros por medo da pressão popular.

Uma coisa é certa. Os governos estaduais fracassaram e uma vez mais Bolsonaro vai sair vitorioso e ainda mais querido pelos brasileiros pois consegue entender seus anseios mesmo indo contra a corrente.

Para qualquer presidente que não pensa no povo, seria muito fácil seguir as recomendações da OMS e manter a quarentena horizontal com todos em casa. Teria a mídia e governadores de seu lado, mas esse não é o anseio do povo. Bolsonaro, foi contra tudo e contra todos e apostou no povo que ele uma vez mais prometeu nunca desamparar.

Assim, além do auxílio financeiro a todas as categorias que estão em casa e vários outros recursos para facilitar a vida das pessoas neste momento, luta contra a corrente, para que o povo possa voltar aos seus trabalhos, e assim poderem manter suas famílias e as empresas continuarem existindo pois os brasileiros dependem delas para viver. (Leonardo Bezerra)