Quem são os cientistas tão alardeados pela mídia?

08/12/2019

(Foto reprodução)
(Foto reprodução)

Os meios de comunicação de massa tem feito dos cientistas verdadeiros deuses e donos da verdade absoluta. Uma população sem cultura verdadeira ou, alienada à cultura do besteirol,  termo que aqui se pode usar para indicar um monte de besteiras - diante de qualquer palavra crê sem o mínimo de avaliação.

Quem são esses homens que dominam as mentes e o que querem? A última questão da pergunta é muito simples de responder: querem dinheiro e prestígio. Não existe mais aquele cientista de outros tempos cujo objetivo era a descoberta e sua utilidade.

Hoje, por trás de cada homem de ciências está uma multinacional e um jogo de interesses quase sempre comerciais ou políticos. Sobre a primeira parte da pergunta: Quem são eles? Certamente pessoas comuns e muito bitolados ou especialistas naquilo que estudam e fazem. De forma que não lhes convém analisar as coisas por outros ângulos, por exemplo, através da filosofia, e muito menos do ângulo da teologia, aliás, matérias que para eles nada significam.

O que a população não sabe é que cientista erra, e erra feio. Uma teoria que aparece hoje como verdade absoluta não dura 10 anos. Assim como aconteceu com a maioria das teorias do passado, a maioria contestada, as de hoje também o serão. Só que sobre isso ninguém fala. Para ter uma idéia, basta ler um livro sobre a história da medicina, ou qualquer outra ciência.

As descobertas são resultados de uma grande seqüências de erros. O que um cientista diz hoje, e deixa as multidões fascinadas ao ponto de desacreditar em Deus, amanhã será desmentido por um outro que diz outra coisa.

Há ainda o caso de inúmeras teorias sobre as quais suas opiniões estão divididas, uns crêem de uma maneira e outros de outra maneira. Esquecem que a verdade é uma só. Não existem duas verdades. O que significa que um dos grupos está errado, simplesmente falando e pregando erros. Conclui-se que a parcela de pessoas que acreditam nesse segundo grupo está acreditando no erro e aplaudindo o erro. E quantas vezes isso acontece? Praticamente diariamente.

Há mesmo meios que supervalorizam os tais cientistas, como se eles não fossem profissionais comuns, sujeitos a acertos e erros e às artimanhas do dinheiro e do poder. Levam a população inculta a acreditar em falsos mitos, em aparências e em sonhos.

Usam tempos verbais sempre no indefinido; "poderia ter acontecido", só que a população que também de verbos nada entendem, pensam que o tal "poderia", realmente aconteceu. Isso, repetido milhares de vezes e dos mais variados ângulos e assuntos leva ao afastamento da verdade. Da verdade simples, direta e sem rodeios, sem interesses milionários nem de poder. Simplesmente a verdade de Deus. (Leonardo Bezerra)